domingo, 16 de junho de 2013

A volta da pressão popular no Brasil

Os estudantes, mais uma vez, saem às ruas. O site do Movimento Passe Livre (ver AQUI ) informa que as manifestações de rua se alastram, pouco a pouco, pelas capitais (Aracaju, Belo Horizonte, Natal, Goiânia, Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, entre outras). Trata-se de uma articulação que foi fundada em 2005, durante um dos eventos do Fórum Social Mundial, realizado em Porto Alegre. Há coletivos deste movimento no ABC Paulista, Aracaju, Blumenau, Brasília, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Guarulhos, Joinville, Mogi das Cruzes, Rio Branco, Salvador, Santos, São Paulo e Vitória. Alguns jovens envolvidos com esta mobilização social têm vínculos com o PSOL, PCB, PCO, sindicatos, UNE e Ubes. Mas outros estão envolvidos com grupos anarquistas e punks. E há, ainda, aqueles que estão se agregando em função das chamadas das redes sociais. Ontem mesmo, ouvi um pai falar do orgulho de ver sua filha, recém ingressa numa universidade pública, envolvida com estas mobilizações. A menina não tem envolvimento com nenhuma organização formal.
Para um sociólogo é hora de ligar todos holofotes e tentar compreender as motivações e as condições que geraram esta retomada da ocupação das ruas por jovens rebeldes. Parte da juventude brasileira, enfim, marcou posição, mais uma vez, na contramão da ordem estabelecida, trocando a mesmice pelo sangue correndo nas veias.
O que me chama a atenção é como esta geração de jovens (não se trata da maioria desta geração, evidentemente) é radicalmente distinta da nova geração de dirigentes petistas, em especial, do perfil de Haddad, que chamou o MPL para uma conversa. Fico imaginando como Haddad conduzirá esta reunião.
O prefeito de São Paulo é a expressão da "troca de guarda" que o PT (ou Lula) promove. A nova geração petista é formada por gestores públicos. Não são militantes sociais (como a geração de Lula e tantos outros que emergiram nos anos 1980), nem quadros forjados no confronto com a ditadura militar (como a geração de Zé Dirceu, que tomou o partido na década de 1990). Os ternos lhes caem bem. Tendem a falar de maneira mais técnica e acadêmica, tendo o power point como instrumento básico de exposição. O sorriso não é fácil. Refletem a imagem da classe média tradicional (que está no topo dos estratos de renda do país).
Os meninos que tomam as ruas não são assim. Também não são imagem da população de baixa renda, aquela ultraconservadora que deve estar indignada com os jovens estudantes.
O país, enfim, ficou mais colorido. Mobilizações sociais explosivas, ao estilo das manifestações e confrontos ocorridas em Paris há alguns anos; gestores oriundos de partidos de esquerda com perfil técnico e formal; população de baixa renda destilando valores ultraconservadores.
Este país multicolorido recoloca no centro da política o imponderável.
As forças políticas institucionalizadas tentarão administrar este novo cenário. Pode revertê-lo. Mas será difícil ignorar que, a partir de agora, não está tão fácil manobrar a política tupiniquim sem solavancos.

Um comentário:

Guilherme Scalzilli disse...

Dilma vaiada

É arriscada a tese de que os apupos em Brasília nasceram do descontentamento político da população. O raciocínio levaria a crer que a falta de episódios semelhantes em outros países indica uma satisfação popular com seus respectivos governos. Sabemos que não é bem isso que ocorre, mesmo nos mais civilizados rincões.

Também evito diagnosticar ali apenas privilegiados vomitando ódio de classe, embora os ingressos não tenham sido baratos e as estatísticas de aprovação a Dilma Rousseff coloquem a representatividade do protesto em dúvida. Qualquer generalização sobre as origens da platéia do Mané Garrincha seria leviana.

Outro devaneio tolo envolve a presença de Dilma no evento, ou seu cotejo aos coronéis do futebol brasileiro e internacional. Ora, alguém julga razoável que a presidenta da República se abstenha de inaugurar a Copa das Confederações, na capital do país, às vésperas de sediar a maior competição mundial do esporte? Queriam que a organização barrasse Joseph Blatter e José Maria Marin? Que ninguém se pronunciasse numa solenidade com tamanha relevância?

Não cometeria a insânia de questionar o “direito” à manifestação pública de repúdio a qualquer pessoa ou entidade. Ele existe, ou deveria existir, em todas as circunstâncias da vida social, inclusive quando se paga caro para prestigiar uma seleção que é o próprio símbolo da corrupção e do engodo.

Sugiro apenas uma reflexão acerca do que o gesto revela de nossa maturidade política e dos nossos princípios de cidadania. Uma contribuição para o debate foi publicada no Observatório da Imprensa (“Welcome to Brazil”, julho de 2007), após Lula ser vaiado na abertura dos Jogos Pan-Americanos. Eis o trecho final:

“Imaturo e caricato, o público do Maracanã mostrou-se despreparado para abrigar um evento de porte continental. Não foi ‘irreverente’, como quiseram alguns; foi patético. Misturou atuação política e macaquice jeca, militância e torcida de futebol. Purgou-se dos dissabores ideológicos com uma afronta omissa, que poucos ousam repetir à luz do dia. Trocou o tédio do ritual civilizado, rara chance de fingir alguma dignidade, pelo carnaval grotesco da autofagia desdenhosa.

Conhecemos há tempos o perfil dessa multidão ignorante, dotada de posses, que se despiu da empáfia para uivar no escuro. Estão ali justamente os maiores críticos do país, cujo atraso amaldiçoam com a superioridade dos cosmopolitas. Não por acaso, são os mesmos pugilistas do falso moralismo, que defendem soluções antidemocráticas para sanear os males da corrupção alheia, desde que as próprias benesses permaneçam garantidas.

É o “ishpérrto” do jeitinho carioca, burguês folgado e malicioso, dado a contravenções. São as profissionais liberais reacionárias, histéricas e debochadas, que finalizam discussões comendo dedos de esquerdistas. E também as madamas grosseironas, com seus maridos brucutus, distribuindo cotoveladas, insultos e propinas para garantir melhores lugares em filas, assentos e mesas. E ainda as jovens raquíticas, amedrontadas pelo povaréu fedido, agarradas aos namorados almofadinhas, confessando saudades de Bariloche, Aruba ou Miami. E os sábios da imprensa-de-crachá, os convidados de autoridades insignificantes, os apadrinhados da burocracia enferma, todos escancarados em sua vulgaridade, soltando gargalhadas mefstofélicas ante o que julgavam ser um ‘momento histórico’, o ‘risco no teflon’, a suprema humilhação do lulo-petismo.

Pobres diabos. Vaiaram-se ao espelho.”

http://www.guilherme.scalzilli.nom.br/Artigos/Observatorio/Welcome%20to%20Brazil.htm