segunda-feira, 27 de agosto de 2012

6 votos no STF

Engrenou. As decisões se alinhavam e convergem em alguns casos, como o praticamente sentenciado como culpado ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato. Ainda há divergências importantes. Contudo, faço um comentário menos relevante, num dia de cansaço pela viagem e consultoria: o ministro Dias Toffoli não passa segurança. Parece um pouco aquele expositor, ainda se testando, que fala com medo de errar, avaliando a sua própria fala enquanto a profere. As mulheres foram sucintas. Mas, até agora, o embate se dá entre o relator e o revisor. Vai ser assim até o final. Mas ingressarão outros ministros, tão polêmicos e loquazes (ou mais).

Um comentário:

SENÔ JÚNIOR disse...

Ultimamente ando achando que polêmido e loquaz é o Agnaldo Timóteo e os juizes um monte de patetas que para cada frase proferida olha para a platéia a fim de verificar as comoções de agrado ou desagrado.O princípio do domínio do fato parece que não fez muita escola entre os juízes e sabemos hoje que as malversações de dinheiro público são muito mais elaboradas, visando tirar da mira dos holofotes da justiça qualquer tentativa de penalizar os verdadeiros culpados.A cacetada acontece na base da pirâmide mafiosa,quando isso ocorre.Problemas envolvendo recursos públicos deveriam ter do poder judiciário a tal urgência urgentíssima que eles utilizam com maestria para aumentarem os próprios salários.