domingo, 16 de dezembro de 2012

TIMÃÃÃÃOOOOO


Um comentário:

Guilherme Scalzilli disse...

Nada mais que a obrigação

O surto de corintianismo alucinou a crônica esportiva. Embalados pelo que julgam ser a redenção do decadente futebol brasileiro, os analistas parecem acreditar que o título se deveu apenas à competência dos profissionais envolvidos e a uma espécie de grandiosidade transcendental que emanaria do alvinegro paulistano.

Clube mais favorecido do país, talvez até do continente, o Corinthians realizou aquilo que se esperava de uma agremiação contemplada por tamanhos privilégios econômicos, políticos e publicitários. Estranho seria desperdiçá-los num resultado pífio, prolongando o hábito meio vexatório dos últimos anos.

É quase inevitável amealhar conquistas e o apreço popular quando se recebe fortunas estratosféricas da rede Globo e de seus patrocinadores, com os equivalentes bombardeios midiáticos e as apologias do jornalismo de “favoritos”. Mesmo quando o time carece de brilho individual (e recebe eufemismos do tipo “aguerrido”, “compacto”, “regular”), os altíssimos salários, a infra-estrutura disponível e a visibilidade colocam-no em evidente vantagem sobre os concorrentes.

O lado sombrio da festa, que os nobres comentaristas não ousam mencionar, reside na pauperização dos clubes interioranos e na conseqüente mediocrização das disputas nacionais. O triunfo corintiano nasceu na sistemática drenagem dos capitais financeiros, humanos e simbólicos produzidos por dezenas de clubes maltrapilhos. Nasceu, portanto, na injustiça, no oportunismo e na ganância que aos poucos destroem a riqueza do nosso futebol.

http://www.guilhermescalzilli.blogspot.com.br/