quarta-feira, 13 de março de 2013

Novo Papa é argentino e duramente criticado por sua participação no regime militar

Jorge Mario Bergoglio nasceu em Buenos Aires, em 17 de dezembro de 1936. É jesuíta, arcebispo da Arquidiocese de Buenos Aires desde 1998. Vejam a matéria a respeito (que reproduzo uma passagem) AQUI
Cinco novos testemunhos, oferecidos de forma espontânea a partir da notícia "Seu passado o condena", confirmam o papel do agora cardeal Jorge Bergoglio na repressão do governo militar sobre as fileiras da Igreja Católica que ele hoje preside, incluindo o desaparecimento de sacerdotes. As testemunhas são uma teóloga que durante décadas deu catequese em colégios do bispado de Morón, o ex-superior de uma fraternidade sacerdotal que foi dizimada pelos desaparecimentos forçados, um integrante da mesma fraternidade que denunciou os casos ao Vaticano, um sacerdote e um leigo que foram sequestrados e torturados.

10 comentários:

Maribel Dias kroth disse...

Mas é impressionante, mal o Papa foi eleito e já começaram as campanhas negativas sobre ele, é incrível que é somente coisas de blogueiros jornalistas, como são arrogantes em julgar as coisas da Igreja, já deram um banho de informações catastróficas e demoníacas sobre Bento 16, e pior alimentando o ódio contra a Igreja de Deus e o Papa, porque os Ateus são como vampiros que se alimentaram do sangue de Bento 16 retirado, de forma cruel e injusta por todas as classes do jornalismo Brasileiro

Rudá Ricci disse...

Não seja infantil. Um cargo deste é investido de grande responsabilidade. Não dá para ignorar seu passado. E é fundamental que cristãos como eu pressionem para ele ser humanista e abandonar os erros que cometeu no passado. Nossa crença perdoa. Mas não pode ser conivente com atos desumanos.

André Bueno disse...

Temos, aqui no Brasil, um pastor racista como Presidente da Comissão de Direitos Humanos. Agora, com nossa imensa maioria de católicos, teremos um Papa Torturador. É... que o sangue Latino-Americano, o espírito de Eduardo Galeano e a bondade de Madre Tereza possam me ajudar a não deixar a militância de lado. Pátria Livre!

André Bueno disse...

Pastor racista como Presidente da Comissão de Direitos Humanos... Papa Torturador... que o sangue Latino-Americano, o espírito de Eduardo Galeano e a bondade de Madre Tereza possam me ajudar a não largar a militância!

Roque Callage Neto disse...

Pelo que estou vendo, é farta a proliferação de sincretismos esquerdistas nos comentários, pois a esquerda é prolífica em justaposições sincréticas, ou seja, sem hierarquia de pensamento, aquilo que Lévi Strauss chamava de pensamento magico.Segundo Bueno, o sangue latino americano vai então redimir-se na luta permanente, ajudado por Eduardo Galeano, o maior idiota do continente, que jamais foi historiador e repete o tempo todo estribilhos sem consultar fontes.Inclusive graves difamações.Que beleza...

Rudá Ricci disse...

Roque,
Pelo visto você não é cristão. Ofender uma pessoa (Eduardo Galeano) pelas ideias que defende é intolerância com a espécie humana. Talvez você não tenha conhecimento da doutrina cristã ou não entenda muito de teologia, mas cristão é, antes de tudo, tolerante com ideias e inflexíveis nos princípios.
Quanto ao André Bueno, é mais uma opinião que até me diverte. Minhas convicções são tão sólidas que não consigo levar à sério o alinhamento que fez de pessoas tão diferentes entre si. Difamação por difamação, parece que todos, até aqui, estão quites.

Roque Callage Neto disse...

Eduardo Galeano não defende idéias, faz pior, Ricci. Tem a pretensão de ser um hermeneuta da história.Jamais foi historiador, mas um cronista jornalista e muito irresponsável. Transcreve diálogos sobre Oswaldo Aranha, por exemplo, rigorosamente inexistentes.Quanto a ser tolerante com diferenças, é a necessidade do diálogo intercultural e multicultural, que faltou neste debate. Abrs.

Rudá Ricci disse...

Roque,
Galeano é um cronista. Já que entra nesta seara, vou ser mais rigoroso. Ninguém, no meio acadêmico, cita Galeano como fonte em qualquer estudo sério. Há uma quantidade imensa de jornalistas que enveredaram, nos últimos anos, nesta direção, popularizando dados de pesquisas acadêmicas e criando uma confusão geral de informações porque não possuem metodologia de pesquisa. Mesmo assim, vendem à rodo e todos aplaudem.
Acho que falta tolerância de sua parte, Roque. Não dá para reviver as Cruzadas. Não seria uma guerra, mas suicídio.

Roque Callage Neto disse...

Sei disto, caro Ricci, sou acadêmico. Galeano não é acadêmico, mas para sua informação, tem sido citado sim, em São Paulo e Brasília,em seminários, como fonte - quando ele próprio nem tem fontes confiáveis.Pura abstração pessoal e inferência.É isto mesmo, que vc diz, jornalistas que por isto mesmo devem ser amplamente expostos à crítica pública(porque difamam e distorcem).Oswaldo Aranha tem sido difamado por este senhor.E vc sabe bem que há grupos de esquerda que utilizam este material na direção errada - claro que não todos, mas estes fazem cruzada, não eu, que vejo o ambiente de modo fenomenológico - e sob as proporções de todos os atores. Difamar custa pouco, e os riscos ainda não são altos, na América do Sul.A justiça é lenta e ainda compensa.

Roque Callage Neto disse...

#A IGREJA NÃO DORME
Conforme este importante livro, os próprios cardeais já tinham pesquisado o nome de Bergoglio. Em 2005, eles não tinham certeza e não quiseram elegê-lo papa, pelos rumores sobre sua vida passada.Mas agora, não tinham nenhuma dúvida, veja-se adiante:
http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2013-03-14/duvidas-sobre-passado-minaram-chances-de-bergoglio-s
ultimosegundo.ig.com.br