domingo, 29 de janeiro de 2012

Crédito interno recorde

Vários jornais estampam que o Brasil atingiu novo marco econômico. Ao fim de 2011, o total de crédito na economia nacional superou os R$ 2 trilhões. Um crescimento de 19% sobre o ano anterior. Comparando com o Reino Unido e EUA, ainda temos muito que crescer. Em 2010 o Reino Unido tinha um dos maiores saldos de crédito do mundo, cerca de R$ 8 trilhões. Apesar de o valor ser quatro vezes maior do que o resultado que o Brasil atingiu em 2011, a população do Reino Unido era três vezes menor do que a brasileira, com 62.417.431 habitantes.  No caso dos Estados Unidos, o saldo de crédito beirava os R$ 50 trilhões em 2010. O montante era, aproximadamente, duas vezes maior do que o PIB do país, que foi de cerca de R$ 25 trilhões. O crédito do Brasil representou 49,1% do PIB no fim do ano passado.
Segundo o Banco Central, 31,5% do Produto Interno Bruto brasileiro, cerca de R$ 1,3 trilhão, é proveniente dos empréstimos às empresas com recursos livres, dinheiro não vinculado a projetos e programas governamentais, uma bela notícia para um país pouco afeto ao risco.
Mas os bancos públicos também foram responsáveis pela concessão de crédito. O total de operações de crédito dos bancos públicos cresceu 4% em dezembro na comparação com novembro e acumulou alta de 7,7% no último trimestre de 2011.

Um comentário:

SENÔ JÚNIOR disse...

E sabemos que essa expansão pode ser ainda maior, caso o governo adote medidas que visem a suavizar o custo do dinheiro e criar mecanismos que possam dar maior segurança a quem empresta.