quinta-feira, 16 de maio de 2013

O dilema de Marina: ser ou não ser fundamentalista

O imbróglio criado por Marina Silva quando afirmou, em palestra que deu na Universidade Católica de Pernambuco, que o deputado Marcos Feliciano seria perseguido por sua religião e não por suas posições políticas equivocadas dá a impressão de ato falho. Pesquisas que avaliam cultura política de massas no Brasil e o próprio resultado das eleições de 2010 no seu primeiro turno, devem atazanar coordenadores da pré-campanha de Marina. Resumidamente:  sem fazer apelos ao fundamentalismo comportamental evangélico, dificilmente sua candidatura crescerá de maneira significativa. A dificuldade de coleta de assinaturas para oficializar seu novo partido (Rede Sustentabilidade) indica este cenário, o que obrigou até mesmo pastores a distribuírem, nos últimos dias, listas para coleta de assinaturas entre fiéis.
Devido ao conservadorismo popular em curso em nosso país, o apelo fundamentalista é muito mais poderoso que o conceito de desenvolvimento sustentável. Marina terá, então, que prestar contas com seu passado, incluindo o recente: ou reafirma sua identidade programática ou adere ao pragmatismo vigente.

3 comentários:

Adjútor Alvim disse...

Se tivesse inserido um pouco de poesia teria sido perfeito:

"Marina morena Marina
Você se pintou

Marina você faça tudo, mas faça um favor

Não pinte esse rosto que eu gosto, que eu gosto e que é só meu

Marina você já é bonita com o que deus lhe deu

Me aboreci, me zanguei
Já não posso falar

E quando eu me zango, marina, não sei perdoar"

Lindolfo Mendes disse...

Marina assusta o governo, mais e muito mais que a oposição!

Olha, o governo joga todas as fichas numa vitória no primeiro turno, pois se 2° turno tiver será com Marina e isso assusta e muito.

As dificuldades são grandes para a REDE, mas ao fim parece que chegará ao necessário e conseguirá as assinaturas para se transformar em partido.

A tentativa de restringir o tempo de TV para a REDE parece ser um claro sinal que o PT realmente não perdoa!

Diante da metamorfose petista, Marina apenas se pintou, mesmo assim o PT não perdoa!

Lindolfo Mendes disse...

Esperamos que essa índole petista de não perdoar, daqui alguns dias, com a avassaladora maioria, não apareça algum petista para propor Câmara de Gás a "nosotros, hermanos", apenas por ter nos pintado!

PT: perdoe-nos, por nos trair!