sexta-feira, 3 de junho de 2011

Explicação de Palocci é frágil

A entrevista de Palocci ao Jornal Nacional indica fragilidades em seu argumento. Duas questões chamam a atenção:
1) Receber em 2010 uma parcela quase única ao cancelar os contratos. Se entendi bem, este foi o esboço de sua argumentação. Ocorre que quando se cancela um contrato de consultoria há comumente uma multa pela rescisão que é paga por quem a solicita;
2) A história da restituição de imposto de rena da WTorre. Havia dois pedidos. Um deles iniciado dois anos antes da restituição. Mas a segunda solicitação veio 44 dias antes de ser restituído. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) informou ter agido corretamente ao não recorrer da decisão judicial que determinou o pagamento de restituições do Imposto de Renda à empreiteira WTorre, uma das clientes da empresa de consultoria do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci. O governo afirma que não contestou as sentenças para evitar divergências com o STJ, favorável à liberação do dinheiro em circunstâncias semelhantes. Estranho porque não é uma atitude comum da Procuradoria, já que contesta até direitos de profissionais autônomos.

7 comentários:

jvc disse...

ele nao falou que nao teve multa.. nao entendi o teu argumento

Rudá Ricci disse...

Aí já começa uma confusão de sua parte. Ele NÃO afirmou que pagou multa. E, se pagou, como recebeu valores tão altos ao rescindir? Você conhece como funcionam os contratos de consultoria? Evidentemente ele pode receber participação nos resultados (comissões), mas ele refutou esta tese. Enfim, o argumento é dos mais frágeis para quem conhece bem este negócio.

Angeline disse...

Rudá, não é só consultoria, qualquer contrato, ou a gde maioria, requer multa em caso de rescisão. Principalmente, qdo solicitada sem causa importante, como fraude, ou irregularidade, que a justifique.
Não defendo Pallocci, mas que valor de multa é esse?
Nem o argumento, nem a dúvida se justificam.
Essa é uma pergunta que só será respondida após análise documental.

Vila disse...

Para discutir esse assunto é PRECISO sair da posição (obcecada, teimosa, preconceituosa, burra?) segundo a qual Palloci seria ladrão, corrupto e perigoso fascínora -- que é a posição considerada 'ética' pelos jornalões e pirados em geral. Palocci NÃO É nada disso. Sobretudo não é burro. Talvez, no máximo, tenha-se sentido um pouco superior demais. E avaliou mal o fato de que todos vivemos cercados por 'éticos' à moda das Senhoras-de-Santana. Talvez Palocci devesse ter sido um pouco mais malandro e escondido mais as coisas, por mais legais que tudo tenha sido. O Brasil, pautado por uma mídia fascistizante, virou terra de 'juízes', cada um mais medíocre que o outro, dessa mediocridade fascistizante que, no Brasil-2011 é considerada 'ética' e que não é ética, só é moralismo fascistizante. A explicação de Palocci NÃO FOI FRÁGIL. Mas é possível que não convença os carrascos fascistas metidos a 'éticos' que desgraçam o Brasil (e que não querem ser convencidos de coisa alguma e querem continuar a repetir o mesmo discurso metido a 'ético' (e só moralista fascistizante).

Rudá Ricci disse...

Vila,
Vou dar uma resposta palocciana: respeito sua opinião, mas acho que vc está sendo ingênuo. Ele não abriu nada. A Folha descobriu e publicou. A entrevista dele foi absolutamente frágil. Ele vacilou em duas vezes: a) nesta história de ter sido pago ao rescindir os contratos para mudar a natureza da empresa; b) ao não conseguir responder por qual motivo a WTower teve seu recurso pago em 44 dias (após a segunda demanda apresentada, que Palocci fez questão de tentar confundir e citou a primeira demanda, dois anos antes). Aprecio sua torcida. Mas toda torcida é afetiva. Eu trato racionalmente das questões políticas. Mas respeito seu direito.

Blog "O Vagalume" disse...

Não creio na santidade de Pallocci, mas não podia esperar mais do que ele disse na entrevista.
Será que alguém ainda esperava que ele fosse confessar um crime na entrevista?
Agiu como qualquer homem inteligente e com experiência política e pública faria.
Admiro-me muito é a performance meio que de APATIA. Costumo resumir com "não mexeu um músculo da face".
Não fosse o copo com água, não saberíamos nunca que ele estrava trêmulo...rs

SENÔ JÚNIOR disse...

Amigo Rudá, é evidente que no mínimo estamos tratando com manipulação de dados sigilosos em benefício de terceiros.Ouvi várias vezes as explicações do ministro e li suas falas pelos jornais. Tráfico de influência?Ou algo mais grave e sério ronda os procedmentos do Ex-Ministro?Digo ex porque ele com certeza ,depois dessa balelada toda deve cair.Até onde a Receita Federal está envolvida nesses negócios? E até onde Lula e Dilma também estão envolvidos? Será que Palocci é apenas mais um "Laranja" da vez?