terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Questões de Ricardo Noblat ao ministro Fernando Pimentel



Responde aí, Pimentel!


O jornal O Globo publicou, hoje, perguntas que não querem calar. Ou melhor dizendo: perguntas que o ministro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, se recusa a responder a propósito de suas atividades como consultor de empresas em 2009 e 2010 quando faturou R$ 2 milhões. Uma titica se comparado com o que faturou na mesma época o ex-ministro Antonio Palocci, da Casa Civil.
As perguntas que Pimentel, se quiser, poderá tirar de letra:
1. A Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) informou que Pimentel, então ex-prefeito de Belo Horizonte, foi contratado, por meio da P-21 Consultoria e Projetos Ltda. para propor programas de desoneração tributária e desenvolvimento ao governo federal. Quais foram esses programas?
2. A Fiemg informou que Pimentel deu "orientação aos técnicos e colaboradores para elaboração e desenvolvimento de conteúdos". Quem são os técnicos e colaboradores que trabalharam sob sua orientação?
3. Por que negócios de R$ 514 mil, R$ 400 mil e R$ 130 mil foram feitos por Pimentel sem contratos formais - apenas verbais?
4. Que garantias de prestação do serviço Pimentel dava aos seus clientes?
5. E por que o ministro não apresenta a comprovação dos serviços prestados, já que confirma ter recebido todos os valores publicados pelo O GLOBO?
6. Por que o ministro omitiu ao jornal O GLOBO ter prestado serviços à ETA Bebidas Ltda., de Pernambuco, na hora de somar os valores recebidos com sua atividade de consultoria?
7. O ministro conhece Eduardo Luis Bueno, sócio da ETA Bebidas e acusado por doação ilegal de recursos na campanha eleitoral de 2006? Se sim, desde quando e como se conheceram?
8. Para prestar serviços à ETA, Pimentel viajou a Pernambuco para conhecer detalhes do mercado de refresco de guaraná no Nordeste? Ou prestou o serviço a partir de Belo Horizonte?
9. Na última quarta-feira, O GLOBO contactou todos os donos da ETA desde a sua fundação. Eles negaram conhecer Pimentel. No dia seguinte, a empresa divulgou nota confirmando a contratação de Pimental como consultor e informou que ninguém daria mais entrevistas. Quem são os diretores da ETA com quem Pimentel afirmou ter mantido contato telefônico durante a prestação de seus serviços de consultoria?
10. O ministro sabe dizer qual era o faturamento médio da ETA quando prestou a consultoria?
11. Quem é o dirigente da Federação das Indústrias de Pernambuco que Pimentel afirmou, em entrevista à "Folha de S. Paulo", ter indicado seu trabalho aos donos da ETA?

Um comentário:

SENÔ JÚNIOR disse...

Eita, arre égua bichim. Fernandinho está desenvolvendo e lepido e fagueiro foi ajudar desenvolver a indústria pernambucana.Será que Armando Monteiro está nessa histórieta?Ou o João Carlos Paes Mendonça?Noblat jogou pimenta no olho do Pimentel e o pobre diabo desorientado e suando frio com o corpo pegando fogo e sem voz, não conseguiu responder a nenhuma das questões propostas de forma clara e concisa.
Pimentinha menino levado, abre o jogo e diz ai que "tamo" querendo saber "brodis", deixa de ser mineiro uai e abre pra tchurma como é que foi esse parangolé.O nome mais apropriado para a indústria de bebidas de Pernambuco: ao invés de ETA Bebidas Ltda, EITA Bebidas S.A.Danou-se !!!