terça-feira, 10 de maio de 2011

Um conservador na direção da CNBB


Dom Raymundo Damasceno de Assis, cardeal-arcebispo de Aparecida, foi eleito presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) com 196 votos. Em segundo lugar, ficou o arcebispo de São Paulo, Cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, com 75 votos. Os bispos se reuniram na 49ª Assembleia Geral da CNBB, no Santuário Nacional de Aparecida. A eleição vale para o quadriênio (2011-2015). Na eleição da 37a Assembléia da CNBB, dom Raymundo, representando a ala conservadora, enfrentou Dom Demétrio Valentini, progressista, para assumir a secretaria geral da entidade.
Vários blogs de cristãos tradicionalistas ultra-conservadores (como o Tradição em Foco com Roma) festejaram esta eleição.
Lembremos que quando da votação do projeto de lei n°1.151/95, que garantia direitos de herança e previdência a casais do mesmo sexo, a CNBB enviou a todos os 513 deputados uma carta em que falava do 'perigo' de uniões 'antinaturais'. A carta, tinha sido assinada pelo secretário-geral da CNBB, d. Raymundo Damasceno Assis, e pelo bispo responsável pelo setor 'Família e Vida' da entidade, d. Aloysio José Leal Penna.

Um comentário:

Senô Jr. disse...

A igreja sempre teve na maior parte de sua existência, viés conservador.Apoiou perseguições religiosas, guerras, conluios, conspirações e toda sorte de porcariada.Não é surpresa que um conservador tenha obtido êxito ,pois, vejo no atual Papa a síntese do conservadorismo no leme do barco religioso, mais conhecido como Igreja Católica.