domingo, 29 de maio de 2011

Dilma não sabe fazer política


Este negócio de não fazer reuniões com base aliada a cada 40 dias e de não atender demandas individuais de parlamentares aliados pode funcionar na Islândia (principalmente quando os vulcões estão inativos), mas no Brasil...
Dilma evidentemente não sabe fazer política. A grande imprensa até elogiava, meio que saudosa do jeito protocolar e anódino de governos ingleses, tão bem quisto pela classe média tradicional. Agora vai aprender que política é jogo mais pesado que as festas retratadas na revista Caras.

4 comentários:

zcarlos disse...

Olá Rudá,tudo bem?
Fiquei pensando sobre este seu post e, sinceramente, não consegui concluir de onde vc se embasou para formulá-lo. Creio que seja apenas uma opinião pessoal, é claro, sem qualquer fundamentação.
Sobre a imprensa julgar como um governo anódino, considero que isso faz parte dos primeiros movimentos do jogo (a abertura do xadrez), que permitem melhor conhecer o adversário.
Entretanto, o mesmo se pode pensar em relação a Dilma: e se a presidenta estiver apenas jogando para conhecer a fundo sua base aliada e também a própria imprensa?
Portanto, meu caro, o título de seu post deveria conter, pelo menos, um ponto de interrogação ao final.
Grande abraço.

Rudá Ricci disse...

ZCarlos,
Estou absolutamente fundamentado. Conversei com lideranças da base aliada, incluindo petistas. É unânime a crítica à falta de diálogo e ao estilo burocrático de Dilma. E nem precisaria ter conversado. Para que Lula entrou no jogo, atropelando a Presidente, se ela fosse habilidosa e soubesse fazer política? Respeito sua torcida, mas vai precisar mais que isto para Dilma aprender a fazer política.

Don Corleone disse...

Dilma, vai cristalizando na prática, o real significado político de sua eleição em 2010: fazer uma ponte, um governo-tampão para o retorno de Lula em 2014. Só isso, quem espera mais vai se decepcionar, não tenham dúvidas.

Jamais tive dúvidas disso, os anos de 2011-2014 são o intervalo constitucional para o retorno de Lula, este ainda continua em evidência, seja nos bastidores do governo Dilma e, agora, articulando a crise de Palocci. E vai continuar crescendo mais, até 2014, Lula tem uma fixação carismática, messiânica, eu sempre soube que tem interesse em 2014: quer o Lulismo 20 anos no poder, este é fato. E se puder fazer seu sucessor em 2022 será um bônus de meio quarto de século de Lulismo no Brasil!

2014, com Lula, nunca esteve tão perto...

Concordo em grau, gênero e número com o Rudá, Dilma não é política, é gerente do intervalo de 4 anos para a volta de Lula...

SENÔ JÚNIOR disse...

Não dá pra ficar fazendo ensaio quando trata-se de política. Não há o que testar. Sobre a volta de Lula, é uma possibilidade, assim como a tentativa de voltar de qualquer outro Ex. Concordo com Rudá quando afirma que Dilma não tem jogo de cintura e que até pra jogar de beque central anda meio difícil.Tem dois modos dela aprender: ou relendo O Príncipe de Maquiavel ou deixando Lula mostrar como é que se faz, caso contrário continuará trocando os pés pelas mãos.